quarta-feira, 3 de abril de 2013

Na ótica




O meu relacionamento com as óticas

Eu sempre tive receio de entrar em uma ótica , preocupado com o fato de que sempre os vendedores se esmeram na tentativa de me vender, ou melhor, de me empurrar,  uma nova armação que, via de regra, está fora do meu orçamento daquele mês. Comigo é sempre assim . Depois que me aposentei ,  gasto menos em alimentação que nos caixas das farmácias e com o plano de saúde que é um verdadeiro terror. Esse aí, você tem mesmo é que pagar ,  rigorosamente em dia , para não incorrer em multas . Mas eu comecei mesmo essa crônica falando do que ? Ah... de óticas...
Na sexta feira passada eu estava em um supermercado da cidade, quando uma das lentes ( graduada ) caiu ao chão . Não me incomodei. Peguei-a , coloquei-a no bolso e deixei para resolver o assunto na semana seguinte. Na segunda feira, a primeira coisa que fiz foi me dirigir à um shopping. O meu problema era bem simplinho. Apenas um parafusinho que se soltara e que eu não o encontrei pelo chão. Afinal, se o tivesse encontrado, não estaria precisando de oculos e  teria resolvido o assunto, pois tenho as ferramentas para trabalhar com aquela coisinha diminuta.


Pois bem, na ótica , uma jovem muito delicada me atendeu . Retirou os óculos do meu rosto com muito com estilo e cuidado profissional, e começou a examiná-lo com ares de entendida.  Se tem algo que me irrita ,  é bater de frente com uma pessoa que tem um comportamento inexpressivo e profissional. Como as telefonistas dos SACs..., por exemplo !  Olhou de um lado para o outro, virou-o , procurou coisas na armação que eu esperava que não estivessem lá e, finalmente, com toda gentileza e uma voz suave, me disse : senhor, esta armação já está oxidada ! Era uma moreninha de aproximadamente 30 anos , olhos claros e cabelos lisos e compridos.  Era o que eu temia!  Esse  começo de conversa, sugeria uma nova armação e elas são caras! Pior ainda. As lentes estavam defasadas e eu estou aguardando a data da consulta para fazer a correção .  Teria que argumentar com a vendedora que eu só precisava mesmo do parafusinho , mas ela insistia: senhor, a armação já está oxidada, foi quando , um repente me veio à mente: eu lhe disse, do alto dos meus quase 82 anos: não se importe com isso: eu também estou oxidado. Pode colocar o parafusinho...

3 comentários:

Cristiano disse...

Realmente, vendedores de óticas estão sempre querendo nos empurrar uma nova armação ou lentes antireflexivas!Se me tivesse falado, teria lhe sugerido ir na loja do João que fica ali do lado da Freitas.
Abraço!

Beatriz disse...

Bartolo, não deu para evitar uma gostosa gargalhada ao ler tu aventura na ótica! Eu pagaria para ter visto a expressão que a moça deve ter feito, com tua saída rápida e espirituosa!
Ganhei o dia ao ler tua crônica! Grande abraço!
Bia

Sarnelli disse...

Bartolo, não deu para evitar uma gostosa gargalhada ao ler tu aventura na ótica! Eu pagaria para ter visto a expressão que a moça deve ter feito, com tua saída rápida e espirituosa!
Ganhei o dia ao ler tua crônica! Grande abraço!
Bia”